Tags

, , , , , , , , , , , , , , ,

Há algum tempo, agências de comunicação vêm investindo na arquitetura e decoração de seus escritórios. Antigas salas sem cor e sem vida abrem espaço para ambientes temáticos, coloridos e cheios de objetos decorativos especialmente pensados.

Mas será que isso é realmente importante?

Se olharmos pelo lado do cliente que irá visitar aquela agência, a preocupação com a “casa” inspira preocupação com o todo e causa uma ótima impressão a 1ª vista. E, como dizem, a 1ª impressão é a que fica.

E no ponto de vista dos funcionários, o que muda?

Muda tudo! Sair da mesmice estimula a produtividade e a criatividade. Faz com que aquelas pessoas tenham mais prazer de frequentar o ambiente de todo dia. Além de se encherem de orgulho de fazer parte do espaço que muitos almejam ou invejam.

Uma agência que se preocupa tanto com o local de trabalho mostra que suas ações vão muito além do cartão de ponto e do lápis e papel… Prova que tem como meta o bem estar daqueles que passarão grande parte dos seus dias por lá e, consequentemente, elencam uma fila de pretendentes a vagas que, normalmente, são disputadíssimas.

Seguem aqui alguns poucos exemplos entre tantos que vemos ao redor do mundo:

Cubocc, em São Paulo, com trabalho que colocou a agência entre as 10 mais “Coolest Offices in the World” segundo pesquisa publicada no The Grindstone:

XYZ Live, em São Paulo, no Edifício “Dacon”

Skype, em Estocolmo, Suécia

Red Bull, em Amsterdã, Holanda

 

Saatchi & Satchi, em Bangkok, Tailândia

Anúncios